quinta-feira, 21 de maio de 2015

Espertezas saloia

Solicito uma funcionária ao I.E.F.P. para um programa.
Funcionária I.E.F.P. envia por e-mail 3 nomes. Um deles soa a qualquer nome conhecido. Comento com uma colega se aquele nome não é conhecido.

"Essa tem a loja KXW" ??!?!!? Tem uma loja ? Mas neste programa só podem integrar pessoas desempregadas de longa duração.
20 Sgs...ahhhh ok, já percebi - A loja é do Pai, da Mãe ou de uma tia. Mete ela como funcionária durante um tempo, despede-a e continua a trabalhar recebendo o extra do subsídio de desemprego. E isto deve durar há vários anos neste esquema. Contrata-Despede-Contrata e enquanto está "desempregada" ainda recebe o extra do subsídio de desemprego. Como sei isto ? Porque tenho um amigo próximo que faz este esquema com a patroa dele. Em que já lhe disse que custa-me andar a trabalhar para esquemas como o que ele faz. E olhos nos olhos já lhe disse que não o denuncio porque sei a vida dura que ele passou em miúdo.

Quanto a mais esta esperteza -a minha vontade era chamar esta aqui para integrar o programa e ver a recusa, ficar com o rabinho preso porque tem a própria loja para trabalhar. Tenho a certeza que recusava e tinha como consequência perder o subsídio porque eu próprio iria elucidar o I.E.F.P. 
Seria o procedimento correcto, mas como eu não quero salvar o mundo, não sou funcionário do Estado, e em muitas coisas me substituo a funções que deviam ser de funcionários públicos. Vou olhar para o lado e assobiar.

E pergunto eu ? Claro que este país nunca vai andar no carril, enquanto existirem este tipo de pessoas pensadoras que sabem contornar e ainda têm benefícios de receber subsídios encapotados por espertezas saloias.




2 comentários:

  1. Anónimo11:43

    Adoro o silêncio dos bons! O que me preocupa não é a asneira que os outros fazem, é quem fecha os olhos à mesma e pactua. Tão ladrão é o que rouba, como o que ajuda a roubar. Pergunta e bem, como é que o país vai entrar nos carris? Nunca, pois temos gente que rouba, gente que promove o roubo, gente que vê roubar e cala. Quanto aos funcionários públicos, que tão lestamente acusa, dá-lhes compadrio, porquê? Não vale a pena estar a acusar sobre ações que não acha dignas, mas depois opta pelo silêncio dos cobardes. Fica-lhe mal. M. Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu teria a mesma opinião que a tua se tivesse desconhecimento de todos os fios.
      No entanto, como tenho um conhecimento mais profundo sobre a situação em apreço, não posso "pegar na arma e disparar". Não tenhas dúvidas que neste tipo de situações, sou do mais frontal que consigo ser. Nesta situação, e, depois de saber efectivamente de quem se trata, vai ser uma das convocadas para estar aqui amanhã e ser confrontada. (Não desejo que integre o projecto, pelas más referências que já obtive nos bastidores) Quero apenas o que podemos adjectivar de um "susto". Depois, através da postura apresentada, logo irá ser ponderado o que dizer ao IEFP.

      Quanto ao amigo de infância, não sou capaz porque cresci junto com ele, sei as dificuldades que passou, e como se diz hoje em dia - é do meu bando/gang de infância. Disse-lhe nos olhos o motivo e a razão - Que condenava aquela postura e até a de declararem-se de solteiros para receber abonos de família e afins. Posso ter opinião conrária, mas aqui não consigo denunciar. Podes gritar que sou ladrão porque o ajudo e tens razão.

      Mas,

      Tenho consciência que faço o possível na minha esfera para estar e fazer tudo para estar conforme a Lei.

      Eliminar