terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Valorizar todos os dias.

Selecção Nacional Paralímpica 
São atletas que congratulam o nosso país com muitas medalhas nos jogos paralímpicos.
Mas fiquei aliviado, porque o secretário de estado do desporto também não conhecia as dezenas e dezenas de medalhas que eles conquistaram para o nosso país nos últimos anos.

Fiquei arrepiado por saber por uma atleta que ganhou 34 medalhas, recebe do estado uma bolsa de 225 euros, e um chamado atleta olímpico dito normal - cerca de 900 euros. Nas mesmas condições e horas de treino que dedica por dia.
A discrepância dos valores ainda é maior para os atletas de pódio chamados normais.
Injustiça e revolta.
Representam a nossa bandeira mundialmente, mas não sabemos o nome de nenhum atleta paralímpico. Queixas de que chegam ao aeroporto e não existe nenhum membro de governo a dizer um simples "obrigado" pela conquista das medalhas para o nosso país.
Apenas a família está no aeroporto.
Nenhuma capa de jornal ou revista faz homenagem, nenhuma imagem passa nas tvs com os atletas no pódio a ouvir o hino nacional.

As lágrimas voltaram,  tinha visto anteriormente uma reportagem de crianças que nascem com deficiência e vivem completamente dependentes dos pais. Oncologia pediátrica, alimentação por sonda, foram algumas das imagens e expressões que fizeram com que eu e a patroa soltassem lágrimas. Pais que vivem 24 horas para os filhos, que tiveram de deixar actividade profissional e a única razão de viver é estar junto dos filhos.
O exemplo dos trigémeos em que ambos os pais passam as 24 horas junto deles, foi algo extremamente duro de ver, uma mãe e uma pai extremamente conscientes, com um amor daqueles que poucas pessoas vão ter oportunidade de conhecer na vida.
Ao mesmo tempo uma campainha a tocar bem alto na nossa cabeça para apreciar todos os dias e valorizar cada momento passado perto e junto a elas.

A razão ?
Arrepios ao vermos aquelas imagens.
Temos a benção de ter duas filhas saudáveis, no entanto, sentimos que na educação excedemos as chamadas de atenção. Controlando excessivamente os movimentos delas em casa e afins. Pessoalmente, sinto peso de consciência por dedicar muito tempo a coisas sem importância, e, não usufruir mais da melhor companhia que posso ter na vida.

 Estas reportagens fazem com que acorde !!! Acordar e sentir que as preocupações que tenho na vida, são meros grãos de areia num deserto - são insignificantes ! Mesmo sem importância nenhuma.
Este Fim-de-Semana foi para elas e só para elas.
E a partir de agora vou tentar estar desperto e consciente que o meu tempo é delas.
Quero estar acordado para olhar o melhor que tenho na vida !
As minhas filhas e...a patroa. :))

8 comentários:

  1. Anónimo14:21

    A injustiça não acontece só com os atletas paralimpicos.
    Tenho um primo que é atleta há anos e este ano foi consagrado canpeão mundial de ginástica acrobática. Surgiu uma ou outra notícia nos jornais, mas absolutamente nada na tv. Também ninguém os foi receber ao aeroporto, à excepção da família e amigos. Não só não recebe bolsa, como foram os pais que tiveram que pagar os fatos das competições, as viagens e estadias no estrangeiro. E quanto às imagens do hino de Portugal a tocar com ele no pódio, só as vi no YouTube porque alguém que lá estava presente filmou, pois as televisões nacionais só se mexem pelo futebol.

    Em relação às crianças de que falas, não vi a reportagem, mas já ouvi testemunhos semelhantes e fico sempre emocionada.
    Para além disso, desde que nasci que conheço um casal que tem um filho com 40 anos que é deficiente mental e tem sido dependente dos pais a vida inteira. O amor daqueles pais é enorme. Não imagino como se aguenta uma vida inteira assim. E sempre os conheci com uma bondade incomparável e sempre com um sorriso na cara. Emocionalmente só eles saberão. Mas fisicamente é muito duro, até porque já têm uma idade avançada.
    E se há situação que me deixa sempre sensibilizada, são as crianças que têm doenças oncológicas, que lutam com forças inimagináveis e que me fazem sentir os meus "problemas" como coisas insignificantes.

    As tuas filhas são uma benção. Já o tinha dito. Não tenho filhos e não sei se alguma vez terei pois, embora goste de crianças, os próximos anos são ainda uma incógnita.
    Sei que não é fácil educar, que as crianças exigem tempo, atenção, paciência, disponibilidade, regras e a vida muda por completo. Mas imagino que seja o melhor da vida, por isso já tinha referido em comentários anteriores que as tuas filhas são um presente e o teu presente... E por isso mesmo comento, normalmente, de forma racional e ponderada, puxando-te à Terra :)
    Joana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquelas reportagens são mesmo autênticas campainhas nas nossas cabeças.
      E fazem pensar no que andamos cá a fazer.

      Aiiii Joaninha, continua atenta a e puxar-me para a terra, porque gosto muito de subir às nuvens ainda. :P

      Eliminar
    2. Anónimo22:19

      * campeão (há pouco nem vi a gralha)

      Outra correcção: lembrei-me agora que afinal passaram uma pequena reportagem na TVI (1 mês depois do campeonato!!!), onde mencionam, entre outras coisas, a falta de apoios financeiros que estes miúdos (que representam Portugal e até ganham medalhas) tèm.
      Se quiseres ver, são os primeiros 2 minutos:
      http://www.tvi.iol.pt/videos/campeoes-do-mundo-de-ginastica-acrobatica/14173396

      Ok, vou continuar atenta ;) És Ar e, tal como os balões, tens tendência a subir :)))
      Tal como acontece com toda a gente, nem sempre os dias serão fantásticos. O problema surge quando se acredita que há vidas e pessoas perfeitas, e se vai atrás dessa ilusão.
      Tens uma família bonita e equilibrada, fazes bem em valorizar :)

      Eliminar
    3. Vi os 2 minutos. :) e são mais uns sem apoio. O que interessa é apoiar a banca e afins. (a chamada chuva no molhado).

      «És Ar» esta agora fiquei a mastigar. :)))
      Quanto a pessoas perfeitas, já não tenho idade para pensar em coisas esotéricas. :P
      No entanto, existem as arestas a limar em nós e nos outros que podem melhorar qualquer coisa em busca de uma vida boa e de preferência com pessoas à nossa volta que façam o mesmo - Uma triagem de quem nos faz bem estar presente na nossa vida. Confuso ? Tipo, descomplicar e viver o mais descontraído possível. Difícil ? Claro que sim. Mas existem os pormenores que salpicam os dias com as coisas que fazem a diferença.

      E como sou "Ar" vou continuar a dar umas voltas lá por cima, onde há mais fresco para as ideias. :P
      Bjinhos "Joana" :)

      Eliminar
    4. Anónimo10:45

      Ficar a mastigar é o quê? Ficar a pensar? Espero que não tenhas encarado o "és Ar" como algo depreciativo, pois é apenas relativo aos 4 elementos dos signos, e o teu é Ar :) Em termos gerais, creio que tem a ver com liberdade e sensibilidade, e acho que até coincide contigo :)

      Subscrevo a triagem que mencionas. Também só gosto de manter na minha vida pessoas que me façam bem.

      Em relação ao descomplicar, eu bem tento, mas o universo não coopera :P Estou a preparar-me para passar o dia de hoje inteirinho no IMTT, naquelas filas intermináveis, para levantar a minha carta de condução. O carteiro enganou-se e entregou o aviso na porta ao lado... Resultado: foi devolvida :-/
      Eu bem quero descomplicar a minha vida, mas não deixam :-S

      Continua lá em cima a ver as borboletas voar :) só não permitas que te façam mal e desequilibrem ;)

      Eliminar
    5. Ufaaaa, afinal gostei dessa interpretação do "Ar" que por acaso e mero acaso concordo. :)) (liberdade e sensível) Confirmo...
      Andas cá uma "horóscopeira". :)

      Ohhh sim IMTT (serviços públicos...fogeeeeeeeee)

      Quanto a borboletas, deixá-las estar sossegadas agora. Estão todas a dormir e enquanto dormem, não atormentam com as dores na barriga. :)))

      Eliminar
  2. Há que aproveitar :D e sim os paralímpicos sempre foram a vergonha do nosso governo! São grandes atletas e trazem sempre imensas medalhas e recebem misérias...

    ResponderEliminar