terça-feira, 25 de novembro de 2014

Consciência do quintal.

Um dia, uma das minha melhores amigas teve uma palavra que ainda hoje perdura em mim.
Adjectivou-me de autista, a forma como ela disse, não foi depreciativa, interpretei que vivia na maior parte das vezes no meu mundo, e nem todos tinham a porta aberta para entrar.
Concordei com a imagem de que só entra no meu quintal a quem eu dou o bilhete de autorização para entrada.

O certo é que nos últimos dias, percebo que os bilhetes que disponibilizo são cada vez menos e, gradualmente o quintal vai ficando vazio pelos excessivos critérios de entrada. Agrava-se quando por vezes, quem ainda está no quintal, sou eu que por um motivo, ou, por outro informo que o bilhete já caducou e convido tácitamente a sair.
Aos poucos, começo a olhar à minha volta e percebo que o quintal está cada vez mais vazio.

Uns dias gosto da solidão do quintal, mas em outros, sinto que deveria começar a emitir mais bilhetes para a entrada no meu espaço.

A solidão começa aqui.


12 comentários:

  1. A consciência do quintal te dirá quem merece e quem não merece lá estar:) Nesta como em muitas ouytras áreas da vida: Não é a quantidade, mas a qualidade que interessa:)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai Suri, Suri, como é bom estares por perto. És outro motivo para hoje estar em estado "vazio".

      Quanto ao "quintal "sinto que nos últimos anos estou muito exigente a quem concedo os bilhetes de entrada. Acaba por corroer a parte de sociabilização que todos os seres humanos necessitam. Sei que só depende de mim, mas ainda não encontrei o botão para carregar. :))

      Bjinhos cheio já de saudades !!!
      Como é possível essa capacidade para "conquistar-me" assim tanto ?
      Fogo Suri, sou mesmo um carente do teu colo. :)))

      Eliminar
  2. Estarei sempre por perto:) de quem quero bem:) como a ti:)

    Jinhoooooosssssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei e sinto que sim !

      Obrigado Suri.

      Bjinhoosssssss

      Eliminar
  3. Anónimo16:54

    Mais uma vez identifico-me tanto com as tuas palavras!

    Também não deixo qualquer pessoa entrar na minha vida. E por vezes há quem faça parte deste meu núcleo e me decepcione. Uma e outra vez. Chego a um ponto em que desisto. Desisto de querer certas pessoas na minha vida.
    Tem a ver com algo que falaste há dias: a reciprocidade. E quando não há, chega um dia em que desligo, como um click.
    Quando as pessoas me decepcionam várias vezes ou magoam, que sentido faz permanecerem neste meu núcleo? Posso até às vezes sentir solidão, mas aprendi a lidar com ela.

    Lembrei-me agora de um comentário que fiz n'O Alcorraz, a propósito de momentos de amizade ou amizades para a vida.
    Há amigos de quem fui muito próxima, deixei de ser, e a vida encarregou-se de voltar a apróximá-los. E há outros de quem me distanciei, e assim permanecem.

    Sou filha única, com todos os inconvenientes que isso traz, nomeadamente a solidão. Talvez por isso tenha aprendido a lidar com ela.
    E se um amigo me decepciona uma e outra vez, prefiro estar só do que emitir esses bilhetes que mencionas.
    Conheço muita gente, mas só a uma pequena parte abro a minha vida.

    Boa semana :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Woooo afinal os despistes que tento fazer a alguns seguidores acabam por não ter eficácia.tu já vens do alcorraz.lol e ainda por cima com boa memória !!! :P

      Sim, existem sempre algumas pessoas em que a empatia e automática e outras que mesmo "presentes" são meros afloramentos. Mas a questão é que nem sempre somos os magoados,também magoamos. Faz tudo parte desta condição a que chamam humanos. ;))
      Ps: ter irmãos não afasta solidão...mas está é outra temática de tese. Não cabe agora.;)

      Bjinhos "anonima"
      :))

      Eliminar
    2. Anónimo18:30

      Sempre me dei bem contigo no alcorraz, não me apercebi que querias despistar-me :P

      Eliminar
    3. Os despistes começaram no "dicotomias da personalidade" ainda não és desse tempo.lol a partir daquele de vez em quando mudo de casa para não ser apanhado em "ilícitos" lol

      Só preveligiados de "bilhete"têm acesso novas moradas. :))
      Quando comprar casa nova ou mudar identidade tens um convite ! :p

      Eliminar
  4. Anónimo19:47

    Pois, não sou do tempo do dicotomias da personalidade.
    Descobri o alcorraz por acaso, e lembro-me perfeitamente por que comentei a primeira vez :) Foi num post sobre depilação a laser. Como já fiz, tentei alertar-te para a diferença entre o laser e a luz pulsada. E como foste educado, simpático e me identifiquei com alguns temas e opiniões tuas, continuei a visitar ;)

    No outro dia disseste que já tinha convite para este quintal e não cheguei a responder. Por isso, cá vai o meu obrigada :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :))) agora fico à espera que compres um quintal e que me dês convite para ver se tratas bem da relva :P

      Eliminar
    2. Anónimo16:23

      Não tenho blogue, mas se algum dia tiver convido-te :) Serás o fiscal da jardinagem :P
      E precisamente por não ter nenhum blogue é que acabo por comentar anónima, mas já percebi que isso pode criar confusão, pois podem ser n pessoas.
      Posso passar a assinar ;)
      Joana

      Eliminar
    3. Ok, pode ser Joana. Já fui feliz com uma joaninha à beira-mar. :))

      Eliminar